Tão poucas ministras em Espanha como em 1996

Não desde o ano 1996, quando foi eleito presidente Aznar, para topar um valor de presença feminina no Governo como no novo gabinete de Rajoy.

Rodriguez Zapatero instituiu a paridade na composição do Conselho de Ministros, mas  não terá continuidade com o retorno ao poder do PP. Mariano Rajoy reduz o número de ministérios, mas a proporção de mulheres cai significativamente, de 6 a 9 no gabinete que sai a 4 a 9 no que entra. E envolve um revés de 15 anos em um processo que as mulheres começaram no Estado espanhol há 75 anos.

Em 1936, poucos meses após o golpe militar, o socialista Largo Caballero formou governo e chamou à anarquista Federica Montseny para a carteira de Saúde e Bem-Estar. Após a saída dela o ano seguinte, as mulheres tiveram de esperar 44 anos para repetir responsabilidade. Tanto os sucessivos governos republicanos durante a Guerra Civil como os Conselhos de Ministros da ditadura de Franco foram formados exclusivamente por homens. Foi Calvo Sotelo, o Primeiro Ministro centrista entre 1981 e 1982, que nomeou como Ministra da Cultura Soledad Becerril.

Quando PSOE chegou ao poder em 1982 a presença de mulheres, longe de aumentar, desapareceu. Felipe González formou Conselhos 100% do sexo masculino até seu sexto ano no poder, a meio do segundo mandato, quando foi nomeada porta-voz do Governo Rosa Conde, e Matilde Fernández Ministra dos Assuntos Sociais. Em seu último mandato como Presidente (1993-96) atingiria o seu pico, com três mulheres no executivo
Aznar melhorou significativamente a média González, já que em seus oito anos no poder sempre houve ministras, dois no mínimo e cinco no máximo.

Mas estes dados foram pulverizados por Zapatero, com o seu “governo paritario”. A presença das mulheres nunca caiu abaixo de seis e até mesmo superou a dos homens (ou igualou, se incluirmos o Presidente) em 2008, sendo nove. Foi também a primeira vez que uma mulher atinge a vice-primeiro ministro.
A composição do novo gabinete presidido por Mariano Rajoy é um retrocesso no caminho para a igualdade de gênero em uma área tão importante e tão simbólica como é o poder político.

Anúncios

Mulheres com poder, mas nenhuma autoridade

Hollywood já nos permite ver mulheres em posições de responsabilidade, talvez mais do que na vida real. Mas se elas não são as protagonistas, esse poder muitas vezes carece de autoridade real.

Há muitos exemplos deste fenômeno nas séries de televisão dos EUA nos últimos anos. Acho que um dos pioneiros, e certamente o primeiro a ter sucesso, foi House (Fox, 2004). O protagonista é quem dá nome à série e está sob o comando de uma Chefa, neste caso, a Diretora do Hospital, onde ele trabalha, Dra. Lisa Cuddy (Lisa Edelstein). Mas se algo está fora de dúvida é que ele é o que sabe. Quem tem a resposta para todos os problemas, quem sempre tem sucesso, embora que para isso tenha que quebrar as regras. Ela é apresentada como alguém que chegou ao topo não por ser um médico melhor, mas por ser mais disciplinada e observadora das leis e regras do Hospital. Isto é uma fonte inesgotável de conflitos entre eles, com House a quebrar as regras e Cuddy a tentar pará-lo. Coisa difícil, porque ele sempre tem a razão e termina por salvar a vida do paciente. Lembre-se que House é declaradamente inspirado na personagem de Conan Doyle Sherlock Holmes, e seu grande sucesso foi o de apresentar os casos médicos como quadros em uma série de detetives. E se House é Holmes e Watson é Wilson, Lisa Cuddy assume o papel do Inspetor Lestrade, da Scotland Yard, concorrente de Holmes (e beneficiário final de seus sucessos), sempre exasperado pelos métodos pouco ortodoxos do Detective Privado.

Lisa Edelstein (House), Jey Ryan (Shark), Maggy Lawson (Psych), Lauren Holly (NCIS)Lisa Edelstein, Jery Ryan, Maggy Lawson, Lauren Holly

Dois anos mais tarde, CBS procurou seu prório House, levando o mesmo esquema para o mundo dos tribunais, em Shark (2006), onde um advogado que está farto de defender bandidos torna-se um fiscal incansável. Já na Fiscalia trabalhará, é claro, sob as ordens de uma mulher, Jessica Devlin (Jery Ryan), que não compartilha as táticas agressivas do protagonista.
Também em 2006, a Universal Studios faz a sua versão do pesquisador com poderes extraordinários de observação e dedução, e apresenta a série Pysch, onde um falso mentalista faz acreditar à policia que pode ser útil na investigação por causa de suas habilidades visionárias, quando a realidade é que ele é mais esperto e mais inteligente do que eles. Ou melhor dito, do que elas: a Detective Juliet O’Hara (Maggie Lawson), cujo papel já se pode imaginar, e para reforçar o conceito (às vezes O’Hara é muito suave), há uma líder superior, Karen Vick (Kirsten Nelson). A CBS plagiou a idéia, mas com mais estilo e sucesso de público em The Mentalist, dois anos depois.
Finalmente, o líder das audiências em os EUA por várias temporadas, NCIS (CBS, 2003). Aqui o protagonista trabalha nada menos do que para a Marinha. No início da série o superior dele era um homem. Mas em 2005 (quem sabe se a nova série House lhes inspirou) o Diretor de NCIS torna-se a Diretora, com a chegada de Jenny Shepard (Lauren Holly). Não é difícil imaginar como é difícil, em um mundo de testoesterona como o dos militares, para fazer valer sua autoridade.
E eles são apenas alguns exemplos. A coisa só é diferente quando Ela é a protagonista. Pode ser uma coincidência. As equipes de escritores foram ditas de adiçoar de personagens femininas em posições de autoridade, e a imaginação os levou por esse caminho. Mas a chance é dobrada se pensarmos quem ocuparam o papel de cabeça-não-merecedores-de-tudo nos anos anteriores. E vemos que na década de noventa eram em sua maioria homens negros. É simples lembrar de dois ou três filmes da década em que o -branco- detetive, devido aos seus métodos pouco ortodoxos, raiva ao -preto- Chefe de Polícia.
Mas agora a tentação de incorporar esta nova forma de machismo subconsciente tem um incentivo novo para os escritores; e é que em todas as séries do mencionado aqui há uma tensão sexual mais ou menos resolvida entre o protagonista e a Chefa. Iste coctail açao/romance ainda pode dar muito jogo e sucesos nos próximos anos.

Fraga Iribarne e a violência machista

 O Concelho de Santiago de Compostela escolheu o Dia Internacional contra a Violência contra as Mulheres para inaugurar a rua dedicada a Manuel Fraga

 

Resulta paradoxal. O 25 de novembro é desde há anos umha data sinalada para recordar a violência de todo tipo que é exercida contra as mulheres polo mero facto de sê-lo, debater as suas causas, alertar dos seus sintomas e buscar o caminho face a sua desapariçom.

Porém, Gerardo Conde Roa, o flamante alcaide popular de Santiago, escolheu esta data para inaugurar a avenida que leva o nome do ex-presidente da Junta da Galiza e ex-ministro da Ditadura Manuel Fraga Iribarne. Este alcaide, que estes dias demonstrou a sua falta de discriminaçom por razom de género na hora de exercer a violência contra a sua cidadania, homenageia agora umha das personagens da política espanhola com maior historial em manifestaçons machistas e vejatórias para com as mulheres.

Muita gente recorda quando, perguntado polo grau de acerto dos inquéritos pré-eleitorais sinalou que muitos cidadaos nom dim o que pensam, ao igual que se a umha mulher lhe perguntam com quantos homens se deita, nom costuma dar umha resposta absolutamente certeira. Também som célebres as alusons de Manuel Fraga a umha deputada socialista no Congresso, Clementina Díez, da que dixo que o único interessante que essa senhora exibiu foi o seu escote, após umha comparecência como porta-voz de Educaçom na cámara. Mais tarde negaria-se a desculpar-se por ser umha anedota e umha simpática alusom aos atributos de umha dama.

E é que cada vez que o veterano político luguês abre a boca para referir-se a temas relacionados com a sexualidade, retrotrai-nos ao nacional-catolicismo: a homossexualidade é umha anomalia, os meios de controlo artifical da natalidade provocam o envelhecimento da populaçom, e a Lei de Matrimónio Gay é asquerosa. Por nom falar do seu celebre morrerei sem ter posto um preservativo.

Desde hoje, as compostelanas que decidam visitar a Cidade da Cultura terám que atravessar a avenida Manuel Fraga. E se decidem fazê-lo caminhando e de noite, que tenham cuidado. O próprio Fraga, ao ser perguntado sobre a responsabilidade das mulheres quando som vítimas de violaçom, tirou do repertório mais machista do Refraneiro Popular: Mujer que al andar canea, y al mirar sus ojos mece, yo no digo que lo sea… pero sí que lo parece.

 

Traduzido ao galego polo galizalivre.org, tirado de Opin1ón. Obrigado!

A resistência galega a ter um nacionalismo forte

O contexto da crise interna e redefinição que vive o Bloque Nacionalista Galego e a retirada da Eta em Euskadi coincide com o retorno para a atualidade do movimento independentista violento na Galiza.

Das três mais reconhecidas nacionalidades históricas periféricas do Reino de Espanha, a Galiza é que tem resistido mais, desde o final do regime de Franco, para ter uma força política nacional bem representada nas instituições. Ao contrário da Catalunha e do País Basco, onde o nacionalismo tem marcas na direita e esquerda, ao que parece na Galiza  só há espaço para um terceiro partido para quebrar a hegemonia PP-PSOE. Na década de 80 foi o nacionalismo de centro-direita com Coalición Galega. A esquerda levou quase vinte anos desde a legalização dos partidos para alcançar uma frente unida, o BNG, que foi reunindo os diferentes projetos que dividiam o voto. Já no final dos anos noventa logrou superar ao PSOE e posicionar-se como a segunda força política na comunidade por alguns anos.
Mas o nacionalismo galego nunca teve uma presença significativa parlamentar em Madrid, e quando chegou ao poder em municípios, governos provinciais ou autonómico tem sido quase sempre da mão dos socialistas. Parece que, nos últimos anos de liderança de Xosé Manuel Beiras, atingiu o seu teto eleitoral e, desde então, continuou a perder votos. Parece que agora, depois de dois grandes quedas nos resultados da eleição em maio e novembro, iniciará o processo de redefinição demasiado tempo adiado.
No entanto, ainda existe nacionalismo de esquerda que não está dentro do Bloque. É o movimento pela Independência, dividido internamente em duas grandes famílias, e que historicamente foi emergindo de divisões do partido matriz do BNG, a Union do Pobo Galego, ou do mesmo Bloque. Este processo de expulsão ou saída dos ativistas mais radicais tinha sempre o mesmo conflito como fonte: a afinidade com os seus homólogos na esquerda nacionalista basca. O BNG levou muitos anos para se livrar do rótulo de pró-ETA que era antes para parte da sociedade galega, como para ser permitido ter dentro partes ou pessoas que suportam aquela imagem. Assim, a saída do Partido Comunista de Liberación Nacional na década de oitenta levou ao partido da Frente Popular Galega, enquanto na década de noventa foi expulsa a organização Primeira Linha.
Agora que a esquerda abertzale basca decidiu descontinuar seu apoio à luta armada e se reconciliaram partes que têm lutado entre si, com grande sucesso eleitoral: o que pode impedir que aconteça o mesmo na Galiza? Se o BNG realmente quer ser a “frente” que reúna a força do nacionalismo em sua comunidade, há poucos espaços que ainda têm que conquistar. À sua direita tem isso difícil, pois todos os experimentos para criar a  CiU galega têm vindo a desaparecer ou a integrar o Partido Popular. À sua esquerda há muitos votos que agora não servem para fazer representação ou vão diretamente para a abstenção. É verdade que muitos militantes ou simpatizantes da independência votam ao Bloco “por eliminação”, mas incorporar essa militância (pequena, mas muito ativa) poderia ser uma maneira de começar a recuperar a imagem de esquerda, que perdeu quando  governou com o PSdG e agora começa a aproveitar Esquerda Unida. É como fez Felipe Gonzalez tras dos resultados de 1979. Ele percebeu que para crescer precissava engolir todo o espectro de partidos menores de esquerda, cujos votos não foram rentáveis ​​separadamente, e composta por especialistas da rua agitadores. Isto incluiu não só os partidos comunistas e socialistas, mas também iniciou um drippings interminável de PCE para o PSOE ainda rígido (veja a Rosa Aguilar como caso notório mais recente).
De portas dentro do BNG esto não lhes passa pela cabeça. Eles estão imersos na guerra eterna das famílias e dos partidos, sem um líder claro para apresentar à sociedade e com a possibilidade de um avanço eleitoral do Feijóo para 2012 no que foram pegos no meio do debate. Eles parecem estar mais preocupados com o futuro de cada uma das formações que compõem do que pela frente da que são unitários.  E após o 20-N, seus dois assentos no Congresso valem menos do que antes, dado o crescimento de um Grupo Mixto com formações da Catalunha, Ilhas Canárias, País Valencià, Navarra e até Astúrias, à parte da Galiza.
Nem do outro lado há sinais que apontem para quebrar a desunião. Internamene ainda não conseguiram chegar a acordo para unir forças, assim que dificilmente vão estar preparados para fazer unidade com o nacionalismo não independentista. E ao contrário do que acontece em Euskadi, esta não é a força dominante, é a residual.
Como se isso não fosse suficiente, re-entra em cena o uso da violência. Nos últimos anos vêm ocorrendo tentativas contra os partidos políticos e empresários com artefatos menores, mas a mídia tem ampliado de forma irresponsável. A operação policial e as prisões desta semana têm uma diferença a outras semelhantes de anos anteriores como a Operação Castinheira: Agora há uma marca (Resistência Galega) que se apresenta como um bando armado, com tudo o que isso pode ser a nível de comunicação social e a nível legal .
Esto não poderia vir em pior hora para o nacionalismo galego e o seu projecto político. A sombra da violência volta a estigmatizar o movimento de independência inteira, pacífica ou não, e até mesmo ao BNG nos olhos de quem nunca deixar passar esta oportunidade para dizer que todos os nacionalismos (exceto espanhol) acabam em violência.

Publicidade livre

Quem precisa pagar pela publicidade na era na que os meios não contrastam as informações?

Qualquer que leve uns anos navegando por internet já se deu conta da facilidade com a que as notícias se podem propagar a nível mundial, independentemente de se estas são certas ou não. O importante é o grau de impacto que uma informação possa ter, não a sua veracidade.

Também as causas são bem conhecidas. Muita da informação gerada na Rede não prove de fontes “fiáveis” como os meios tradicionais. Mas os meios de comunicação impressos levam anos sacrificando a qualidade dos seus conteúdos devido ao seu empenho por competir em internet, obsedando-se por receber mais visitas. Isto, somado à crise da publicidade destes anos e à redução de modelos, converte em demasiadas ocasiões a jornalistas em meros repetidores e adatadores de informações de procedência alheia, quase sempre com menos tempo do necessário.

E na indústria do marketing, como não, tomaram boa nota e descobriram um filão: como lançar produtos ao mercado e que o público esteja atento sem ter que gastar dinheiro em campanhas publicitárias. Para mim uma das empresas que o está a aplicar nestes anos com mais sucesso é Ryanair, a companhia de voos de baixo custo. Fá-lo periodicamente e com o mesmo sistema, e os meios de comunicação caem na armadilha uma e outra vez como borregos em troca de um montão de “cliques” nas suas páginas site. Sem muito esforço, recordaremos notícias que falam de que a companhia estuda cobrar por algum serviço que sempre foi grátis. O mais célebre foi o que propunha o pagamento de 1 libra pelo uso da casa de banhos do avião, mas outros como o pagamento extra para pessoas com sobrepeso também deram a volta ao mundo. Evidentemente, a empresa nunca chegou a aplicar estas medidas, mas deixaram nas nossas mentes a ideia de que são capazes de qualquer coisa para *abaratar o preço do bilhete. E funciona. Não investem um euro em publicidade, mas é a primeira companhia na que muitos pensamos quando ouvimos a expressão low-cost.

Dando uma olhada aos titulares recentes é fácil encontrar três exemplos que sigam o mesmo método.

Na quinta-feira da semana passada os meios de comunicação espanhóis bombardearam-nos durante horas com a que ia ser a notícia musical de 2012: Mecano vai-se reunir para uma gira. Ou isso é o que afirmava no seu programa matinal de ABC Rádio Jose Antonio Abellán. Durante horas esta informação difundiu-se viralmente. Ninguém que escutasse a rádio, visse a tv ou se ligasse a internet durante essa manhã deixou de se inteirar. Já pela tarde começaram os desmentidos, e a coisa foi perdendo força. Tratava-se de um rumor (um mais da lista da a formação madrilenha desde o seu desaparecimento), mas conseguiu pôr o foco da atualidade em um grupo que se dissolveu faz mais de uma década. E por suposto, o desmentido não teve nem a metade de efeito que o rumor, com o que ainda hoje muita gente dá-lo-á por bom. Para que? Não estranhar-me-ia que no próximo Natal nos encontrássemos com uma nova compilação dos seus grandes sucessos. A própria cantora de Mecano, Ana Torroja, supõe que tem que ver com a recente edição de um videojogo baseado nas suas canções.

Dias antes, o tema que chocava nas páginas de sociedade era outro. Segundo um estudo, o presente mais requisitado pelos meninos para Natal era a nova tablet de Apple. A notícia tinha suco, e espremeram-no: “nem bonecas nem camiões, os meninos querem um  Ipad“. Se investigamos a origem de tão surpreendente estudo durante uns minutos no buscador mais comum, a coisa relativiza-se: Resulta que a consultora americana Nielsen lhe perguntou a 3.000 meninos e meninas de EEUU que aparelho eletrónico prefeririam que lhes presenteassem. Dos quais um 44% respondeu com a suprocitada tablet. Na corrente de espalhar da notícia, os titulares foram-na estilizando. O primeiro que sobrava é que era um inquérito sobre tecnologia. E dos meninos norte-americanos (que já é muito dizer vendo a baixa cifra de interrogados)  passou aos meninos simplesmente. E de novo a campanha saiu grátis.  O produto instalou-se como possível presente de Natal (para adultos) e vai perdendo o perfil de ser só para executivos.

Por último e entrando em temas mais sérios,  destacarei que isto também serve para exercer pressão sobre decisões políticas e económicas. Desde a união monetária da Europa e a criação da zona euro não se tinha voltado a falar da Europa de duas velocidades. Até que a agência Reuters filtrou um rumor no que se sugeria que França e Alemanha o contemplavam como possibilidade. O aluvião de desmentidos  por parte dos próprios Sarkozy e Merkel e o resto de autoridades comunitárias foi o que devolveu este conceito à agenda política, dez anos depois. Já se debate sobre isso nos meios especializados e os políticos do norte da Europa o resgatam nas suas declarações. E isso que era mentira.